Prefeito deixa mais de R$ 25 milhões em caixa para enfrentamento da pandemia

Com a sensação de dever cumprido, mas com a certeza de que o combate à pandemia não terminou, o prefeito Paulo Piau deixa em caixa R$ 25.707.887,98 para que a gestão da prefeita eleita Elisa Araújo enfrente a Covid-19 no início de 2021. Nesta quarta-feira (30), juntamente com o secretário municipal de Saúde Iraci Neto, o prefeito fez um balanço das ações de combate à pandemia desde 26 de fevereiro, quando apareceu o primeiro caso no país, até esse dia 30 de dezembro, quando foram consolidados os dados gerais. “O comportamento dos dados demonstram equilíbrio e estabilidade no Município em relação à doença. Mais do que missão cumprida é atuar com responsabilidade até o último dia. Em que pese à letalidade desse vírus na cidade e o índice de casos positivos, o objetivo é preservar a vida e a saúde do uberabense”, disse o chefe do Executivo.

Considerada a “maior crise sanitária do mundo”, as ações empreendidas pelo Município demonstraram que Uberaba conseguiu manter índices bastante satisfatórios. A taxa de recuperados da população exposta ao vírus está na faixa de 94%, se mantendo ao longo de 10 semanas. Já a transmissão está em 0,96%, nos últimos três dias, ao passo que, no Brasil chega a 1,4%. Isso significa, aponta Iraci, que Uberaba está numa curva descendente.

De acordo com Iraci Neto não há aumento substancial da taxa de ocupação de leitos, nem na busca do pronto atendimento com suspeita de síndrome respiratória grave, e a Secretaria correlaciona pelo menos 30 dados estatísticos, epidemiológicos e assistenciais para chegar à conclusão de estabilidade dos dados. “Isso é muito importante porque a nossa curva de transmissão está em queda, consequentemente a carga viral do Município é pequena e os dados assistenciais baixos”.

A taxa média de ocupação UTI nesta quarta-feira era de 29%, que cresceu conforme o secretário, já que na semana passada terminou com 18%. Esse crescimento, acrescenta, se deu no serviço privado, entre a população com maior poder aquisitivo, tendo em vista que no Hospital Regional o índice está entre 8% e 10% somente.  Os dois hospitais particulares têm somente 32 leitos de UTI para Covid, enquanto o Município conta com 45 leitos, com capacidade rápida de dobrar, caso necessário. Já a taxa média de ocupação de leitos clínicos ficou em 16%.   

O prefeito Paulo Piau lembrou que enquanto Uberaba mantém a pandemia sob controle, cidades como Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro estão fechando tudo. Ribeirão Preto, por exemplo, decretou calamidade pública na última terça-feira pela falta de leitos de UTI, da mesma forma que Uberlândia está na iminência de ter 100% de ocupação.  

Comparativamente, enquanto em Uberaba foram registrados 9.856 casos positivos de Covid-19, com 239 mortes, na macrorregião do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba foram 23.951 com 522 mortes, em Minas 529.653 positivos com 11.615 mortes, no Brasil já são 7.563.551 e 192.681 óbitos e no mundo são 81.997.581 casos com 1.789.912 baixas.

O prefeito destaca que em que pesem serem lamentáveis as mortes, o equilíbrio conquistado em Uberaba se deve a três fatores substancialmente, primeiro terem sido tomadas as medidas certas, na hora certa, como os decretos que foram importantes no controle da doença. Depois, à fiscalização dura e até contrariando as pessoas. E, por último, uma grande parte da comunidade em entender que numa pandemia  tem que fazer a sua parte. 


Testes. No Brasil existem quatro tipos de testes, sendo que Uberaba é o único município de Minas Gerais que adquiriu o PCR rápido, que tem sensibilidade de eficiência altíssima, respaldando assim os atendimentos de urgência e emergência no dia a dia das Unidades que realizam os exames de Covid, Foram testadas nessa modalidade 26.889 pessoas, das quais 57,1% foram positivos. Dos 2.696 pessoas que fizeram exames sorológicos, 5,7% apresentaram o vírus e, dos 46.102 que se submeteram a testes rápidos, estavam com Covid, 19, 37,2%. 

Dos 78.267 testes dos mais diversos adquiridos pelo Município, já foram realizados 74.559. Isso significa que ainda existe um saldo de cerca de 4 mil testes para a nova gestão iniciar em janeiro e o novo comitê, com uma reserva técnica para trabalhar.

A quantidade de exames foi baseada na análise técnico-científica em razão do planejamento, conhecimento e gestão do tratamento dos dados, que foi um norte muito importante para o Comitê altamente técnico, a fim de apresentar os resultados mais precisos. “Tínhamos um plano de testagem qualificado, não uma testagem em massa e, com isso, tomar a melhor decisão, em menos tempo para o enfrentamento dessa pandemia”, destacou Iraci.


Recursos. De acordo com o secretário de Saúde os recursos financeiros com o Covid em Uberaba foram da ordem de R$ 123.472.347,16 no total, sendo que R$ 56.597.964,21 foram da União, R$ 2.790.662,54 do Estado e R$ 64.083.720,41 de recursos próprios. “Somente agora o Estado conseguiu regulamentar o uso de seus recursos, repassados desde o início da pandemia pela União (Ministério da Saúde)”, lembrou.

Já as despesas com as ações de enfrentamento da pandemia chegaram a R$ 145.761.261,93, sendo que a Prefeitura precisou fazer um remanejamento de recursos orçamentários da ordem de R$ 63.626.720,41 para essa finalidade. “Não ficamos esperando o dinheiro do Estado, que foi curto, ou da União, onde temos que batalhar o tempo todo. Tiramos de nossas reservas e usamos de todas as possibilidades para conseguirmos fazer esse “investimento” custou R$ 146.000.000 aos cofres públicos”, destacou. 

Segundo Iraci Neto a criação de uma base para o enfrentamento da pandemia para a próxima gestão sempre foi uma diretriz desse governo, capitaneado pelo prefeito Paulo Piau que também é presidente do Comitê. A crise é mundial e o Município preparou tudo para que o próximo governo siga em frente vencendo essa guerra.


Resolutividade. A Secretaria de Saúde, desde o surgimento do primeiro caso na imprensa nacional em 26/02/2020, iniciou, logo no dia seguinte, uma discussão interna com os coordenadores das áreas técnicas, de infectologia (médicos) da rede de saúde no município (pública e privada), já buscando uma visão de cenário situacional dos casos no mundo e perspectivas no Brasil.

O primeiro caso confirmado em Uberaba foi dia 16 de março e, diante da mudança do cenário, foram executadas ações estratégicas dinâmicas e permanentes com o intuito de controlar o avanço da doença na cidade. A princípio o plano  para enfrentamento da doença foi segmentado por áreas de atuação e perfil,operativo, com a criação do Comitê Técnico Científico e o do Grupo Estratégico de Enfrentamento a Covid-19, para alinhamento das ações, ambos presididos pelo prefeito.

A partir daí houve o monitoramento dos dados da evolução temporal da COVID – 19, no município, desde então, é realizado diariamente, tendo em vista o desenvolvimento do conhecimento científico, garantindo que o nível de resposta seja eficiente e as medidas correspondentes sejam adotadas.

Com objetivo de controlar a disseminação do vírus, promovendo mais segurança aos cidadãos uberabenses, foram publicadas normativas técnicas e instruções, conforme evolução temporal da COVID-19 no município. Dessa forma foram publicados 90 decretos. 91 portarias, 10 resoluções, uma orientação do Conselho Municipal de Educação, três instruções normativas, bem como um  Termo de Ajuste de Conduta. Além da Lei de Calamidade Pública, prorrogadas por mais seis meses e os planos Municipal de Enfrentamento, de Contingência de Leitos e de Retomada do Ensino.

Os Comitês Técnico Científico e Estratégico se reuniram 300 vezes, na maioria com o prefeito, por semana ou quando foram convocados. Foram produzidos 320 boletins de monitoramento epidemiológico diários, promovidas 36 salas de situação semanais, para embasar as quatro avaliações técnicas, como no caso do Poder Judiciário, dentro do que Iraci chama de “recorte” da pandemia em Uberaba. Foram elaborados até a manhã desta quarta-feira, 28 boletins epidemiológicos do cenário semanal, com o monitoramento, “que serve para a população entender o número de óbitos, taxa de ocupação, recuperados, quantos testaram diariamente”, explica. Foram realizados 13 painéis da transparência quinzenais, realizadas Os números demonstram ainda que foram 80 entrevistas concedidas à imprensa pelo secretário e o prefeito, seis entrevistas coletivas  10 videoconferências,  121 reuniões internas da estrutura operacional da Secretaria Municipal de Saúde. Além disso, formatou-se 30 processos de compras (Conforme Lei Federal 8.666/93) e 70 contratos de aquisição e fornecimento de materiais e insumos para o tratamento e prevenção contra a pandemia.

Neste dia 31 de dezembro toda a equipe da Saúde estará trabalhando em Home Office dando continuidade a esse acompanhamento. “Temos uma expertise que em menos de 48 horas não haverá nenhuma mudança drástica, pelo contrário, o comportamento é de equilíbrio e estabilidade dos números”, ressaltou Iraci. O relatório detalhado, que foi repassado à equipe de transição, pode ser acessado através da Página Uberaba Contra a Covid 19 no endereço http://uberabacontracovid.com.br/portal/conteudo,49164.

Publicidade