PMU retoma discussões para pôr em prática Farmácia Viva

A Secretaria Municipal do Agronegócio (Sagri) participará no dia 8 de abril de videoconferência, para tratar da retomada do Programa Farmácia Viva. Conforme repassado à Folha Uberaba, a proposta é de fornecer produtos fitoterápicos à população para tratamento alternativo de doenças.

De acordo com Raoni Terra, diretor de Produção Agropecuária da Sagri, esta será a terceira reunião do ano entre as instituições envolvidas no programa, como Epamig, Fiocruz e as secretarias de Saúde, Agronegócio, Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico. “Os debates visam alinhar funções de cada segmento, de maneira a tornar prático o funcionamento da Farmácia Viva em Uberaba”, informou.

O diretor da Sagri enfatizou que o programa foi instituído pela Lei 8.197, de 13 de fevereiro de 2002, tendo como autor o vereador João Gilberto Ripposati, defensor da causa. “O objetivo é de fornecer ao cidadão produtos fitoterápicos, como alternativa no trato de doenças. Dentre eles, chás, xaropes, pomadas, cremes, sabões e cápsulas gelatinosas, produzidos em laboratório e repassados às pessoas, de forma gratuita, mediante prescrição médica”, relatou.

Raoni destacou que o programa prevê também a realização de palestras e oficinas aos interessados, para repasse de técnicas utilizadas no cultivo das plantas medicinais  e na manipulação fitoterápica. "A lei estabelece que, neste cultivo, a Prefeitura poderá usar área do Horto Municipal ou promover parcerias, além de instituir o Laboratório Municipal de Fitoterapia".

Concluindo, o dirigente explicou que a proposta com estes debates é avançar nas atividades previstas pelo programa. Mesmo porque, desde o final de 2020, está praticamente pronta a sede da Farmácia de Produtos Fitoterápicos, ao lado da Unidade de Saúde do Morumbi.

Publicidade