Operação contra sonegação fiscal e uso de "laranjas" tem como alvo empresário uberabense

Operação conjunta, denominada “ Sabor que te Prende”, desencadeada pelo GAECO,Grupo de Atuação Especial ao Crime Organizado, CROET, Coordenadoria Regional de Combate aos Crimes à Ordem Econômica e tributária, Receita Estadual de Uberaba e 5ª RPM, teve como alvo, associação criminosa  da qula empresário de grande influencia local é o suspeito de ser lider  , de acordo com as informações repassadas à Folha Uberaba, utilizava pessoas e empresas interpostas  como “ laranjas e empresas de fachada”para driblar o fisco estadual, resultando em sonegação de dois milhões de reais.

A Operação teve a participação do Promotor do CROET, o Promotor do Gaeco Uberaba, um Policial Penal, Agentes o GAECO, 25 Policiais Militares, Servidores do MP, 18  auditores fiscais e a AGE.

Durante as averiguações,  segundo o MP, constatou-se que o esquema de sonegação de impostos consistia na utilização de duas empresas  pertencentes à mesma pessoa, mas registrada em nome de "laranjas". As empresas atuavam com simulações de venda subfaturada de produtos, negociando-os entre elas a preços irrisórios e impraticáveis, sobre os quais incidia ICMS abaixo do valor devido e, mesmo assim,  não era pago.

Posterior à simulação de venda, a empresa “compradora” repassava o produto ao consumidor, agora com preço real de mercado.

Ainda de acordo com o os responsáveis pela operação,  associação criminosa configura-se pela utilização dos laranjas, que serviam justamente para mascarar a ilegalidade das vendas e ocultar o verdadeiro dono das empresas e chefe do esquema. Os dois  “Laranjas”

estavam cientes dos fatos ocorridos e colaboravam ativamente para o sucesso da empreitada criminosa. Em algumas oportunidades, o empresário orientava os comparsas quanto à atuação deles frente aos órgãos

do poder público, sobretudo aos fiscais da receita estadual. Não se descarta o envolvimento de outras pessoas.

Apesar de suas empresas estarem registradas em nome de pessoas interpostas para fins tributários, quando do recebimento de homenagens, premiações e afins, o empresário era quem comparecia. A marca, utilizada pela empresa em nome de um dos laranjas, sempre é representada pessoalmente pelo verdadeiro dono e chefe da quadrilha,perante a sociedade e demais empresários, inclusive a imprensa.

Alem disso, de acordo com a investigação, a utilização das empresas de fachada e laranjas, bem como a origem ilícita do dinheiro são somadas ao fato de que os bens do empresário não figuram em seu nome. Utilizando-se do esquema  para lavar e ocultar o dinheiro ilícito oriundo da sonegação, o empresário blinda o próprio patrimônio e se furta à responsabilização legal.

O prejuízo da ordem de milhões de reais aos cofres públicos estaduais tem sustentado uma vida luxuosa ao empresário que, além do luxo, construiu uma imagem de sucesso e exemplo perante à sociedade e para pequenos empresários, que não tinham ciência da ilegalidade e imoralidade de sua atuação. Ao lado do prejuízo, há também  lesão à concorrência e aos empresários que honram com suas obrigações tributárias.

Nesta sexta feira, foram cumpridos 03 (três) Mandados de Prisão Preventiva e 05 (cinco) mandados de busca e apreensão, todos na cidade de Uberaba-MG.

As informações serão complementadas ao final da apuração. 

Publicidade