Fintech de Uberaba amplia investimentos no agro e no setor imobiliário

Ceres Investimentos trabalha com fundos de investimentos direcionados ao Agro e agora passa a investir também no mercado imobiliário, com aporte de R$18 milhões no empreendimento Brisas.

Conforme repassado à Folha Uberaba, com o aumento anual da safra de grãos no Brasil, os agricultores estão buscando alternativas mais práticas de obtenção de crédito já que o excesso de burocracia e garantias limita o acesso ao Plano Safra, tradicional política pública de financiamento do setor. É nesse cenário que as fintechs, empresas focadas em soluções financeiras, vêm crescendo e conquistando a confiança do produtor rural, pois estão desenvolvendo ferramentas para facilitar a experiência dos agroinvestidores junto aos serviços financeiros.

Segundo o relatório Global FinTech Adoption Index 2019, esse tipo de empresa já é utilizada por 77% dos brasileiros e nos últimos tempos vem ganhando força entre os consumidores de áreas rurais. Um exemplo é a Ceres Investimentos, criada em 2018, em Uberaba/MG, cidade conhecida mundialmente como o maior polo de genética bovina das raças zebuínas. A empresa foi fundada por dois amigos de infância que trabalharam juntos no agro e decidiram usar a experiência profissional ao criar a fintech. "Nascemos de um mercado que cresce a taxas interessantes e que atualmente representa 21% do PIB brasileiro. Conseguimos extrapolar as fronteiras do agronegócio e hoje a empresa é uma excelente opção para investidores que querem atuar diretamente no mercado de capitais, através de nossos fundos, opções versáteis e com boa rentabilidade" assegura o CEO da Ceres Investimentos, Guilherme Cunha.

O que antes era apenas um projeto de amigos visando controle financeiro e maior fluxo de caixa para os próprios negócios tornou-se em uma fintech completa que conecta o investidor aos mercados de capitais. É possível encontrar desde soluções mais simples e desburocratizadas de antecipação de recebíveis até operações mais complexos para atender necessidades específicas, como o Certificado de Recebíveis do Agronegócio, o CRA, um título de renda fixa.

De acordo com o CEO da Ceres Investimentos, a empresa faz a gestão de fundos de investimentos das mais variadas finalidades. Um exemplo são os Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC´s) que possibilitam as empresas que necessitam de um fôlego de caixa descontarem duplicatas, anteciparem recebíveis ou efetuarem operações de CCB´s, dentre outras opções.

Já para os investidores que desejam aportar em empresas, por meio de uma operação segura, existe a opção de Fundos de Investimentos Multi Mercados (FIM). “É uma alternativa atraente e com o aval de grandes securitizadoras do país. Há ainda os FIP [Fundos de Investimentos e Participações], que é um tipo de investimento que canaliza recursos para aportes em aquisições de empresa e/ou projetos promissores de vários setores”, explica Cunha.

Investimento no setor imobiliário- Apesar de ser uma fintech 100% agro, a Ceres está ampliando os negócios e passou a atuar também no setor imobiliário. Segundo ele, em alguns casos, a empresa investe e trabalha na gestão executiva do empreendimento, apoiando com o gerenciamento financeiro e aplicando seu know-how como uma fintech de referência no país. “Esta gestão é mais um ponto positivo para o investidor que deseja não apenas ver o retorno, mas também ter a tranquilidade de que seu investimento está bem cuidado”, ressalta.

A Ceres acaba de fazer um aporte de R$18 milhões no empreendimento Brisas, que retomou as obras no último dia 7 de setembro, com previsão de término de 24 meses. “Empreendimentos imobiliários são uma paixão nacional assim como a poupança. Com a queda da taxa de juros, o investidor quer uma rentabilidade maior com segurança. No caso de investimentos em fundos imobiliários, isso acontece, pois, no pior dos cenários tem-se como garantia um ativo físico como apartamentos, lajes comerciais etc. O condomínio é uma jóia da cidade de Uberaba que por variados motivos foi paralisado. Com este aporte, indiferentemente de novas vendas a incorporadora conseguirá finalizar o empreendimento”, conclui Cunha.

No geral, a Ceres tem hoje mais de R$700 milhões sob gestão.

Publicidade

Anuncie