Diabetes e visão: retinopatia afeta mais de 75% dos diabéticos e pode levar à cegueira

Retinopatia diabética não apresenta sintomas no início e evolui de forma progressiva. Glicemia descontrolada e tempo de diabetes são fatores de risco


Diabéticos não podem se descuidar da saúde ocular, pois existe uma grande probabilidade de a doença afetar a visão. O alerta é da oftalmologista geral e especialista em retina clínica, Paula Borges Carrijo, em alusão ao Dia Mundial do Diabetes (14 de novembro). O acompanhamento visa diagnosticar precocemente a retinopatia diabética, problema que atinge mais de 75% das pessoas que convivem com o diabetes há 20 anos ou mais, segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO).

Assintomática no início, a retinopatia diabética evolui gradualmente. Ela é causada pelo acúmulo do açúcar nos vasos sanguíneos que irrigam a retina, o que provoca deterioração das células. Sem tratamento, essa condição provoca a perda da visão.

“Embora possa atingir qualquer diabético, quando a pessoa não controla a taxa glicêmica, seja por uma alimentação não balanceada, ou pela falta de atividade física, ela tem chances de desenvolver a retinopatia em estágios mais avançados. Por isso, todo cuidado é pouco”, explica Paula. Outros problemas oculares que podem afetar os diabéticos são catarata e glaucoma.


Dados alarmantes e doença silenciosa - Ainda segundo o CBO, a retinopatia diabética é responsável por 4,8% dos 37 milhões de casos de cegueira provocados por doenças oculares no mundo. Isso equivale a cerca de 1,8 milhões de pessoas. “O que é mais importante frisar sobre a retinopatia diabética é que ela é uma doença silenciosa no início, ou seja, se a pessoa não vai ao oftalmologista regularmente, não tem como ela saber se a doença já se instalou”, ressalta a oftalmologista.

Geralmente, os sintomas começam com visão embaçada, depois manchas turvas e pode chegar até a provocar hemorragia nos vasos sanguíneos. O tratamento pode ser somente o controle da glicemia, passando por aplicação de laser e até cirurgia. Tudo depende do quão avançada está a retinopatia. “O diabético deve ter um cuidado especial com a saúde como um todo e isso deve incluir os olhos. Afinal, a visão é um sentido muito valioso para ser colocado em risco por negligência”, conclui a médica.


Sobre Paula Carrijo - Paula Carrijo é médica oftalmologista na Olhar+ Clínica de Olhos, que fica no Uberlândia Medical Center. Fez especialização na Fundação Altino Ventura (FAV) em Recife-PE e um Fellowship em retina clínica e vítreo no Hospital Evangélico de Belo Horizonte-MG. Reconhecida pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologista (CBO), atua na área de retina e é oftalmologista da clínica dedicada à saúde visual do idoso, mas atende adultos de todas as idades.

Publicidade