De obsoletos à inovação tecnológica

Dezesseis mil laptops readequados poderão ser utilizados em unidades da rede municipal

Desde 2017, a Prefeitura de Uberaba, por meio da Secretaria de Educação propôs um trabalho, com a equipe do Departamento de Tecnologia e Informática Educacional (Detic) para usar as tecnologias a serviço do processo de ensino-aprendizagem. O destaque fica é readequação dos aparelhos usados no antigo ‘Um computador por aluno’ (UCA), laptops adquiridos para fins pedagógicos e subutilizados na maioria das cidades. Em Uberaba é diferente. A nova etapa pode mudar o uso das TIC´s na rede municipal. Com novo sistema operacional, o Linux 5.0, serão revitalizadas 16 mil unidades do equipamento para aumentar as possibilidades do uso da tecnologia nas 73 unidades municipais (escolas e Cemeis), a custo zero.

A equipe do Detic, responsável pela inovação, pesquisou um sistema operacional gratuito que fosse compatível com a realidade da rede municipal. Depois disso, customizou o sistema para atender aos alunos para a realidade da rede, desde a pesquisa pedagógica à aplicação da robótica.

Esta experiência – diz o chefe do Detic, Luiz Henrique Araújo - traz à tona o cuidado com os recursos públicos propostos pelo prefeito Paulo Piau e pela secretária Silvana Elias. “Os UCAs eram máquinas desprezadas e demos utilidade pedagógica a eles, com inúmeros resultados para os nossos alunos. A tecnologia veio para ficar no processo de ensino-aprendizagem da rede municipal de Uberaba”, completa.

Compõem a equipe de colaboradores para a intervenção técnica e educacional, a pedagoga Juliana dos Santos Borges, o professor de Informática e principal idealizador da nova interface, Paulo Henrique de Sousa, o chefe da Seção de Informática Educacional, Luciano Garcia de Oliveira, o analista Rodrigo Paniago e o professor Samuel Barbosa.

A ideia promove o uso do recurso sem uso de Internet e com muita atratividade. Todos os estudantes da rede terão oportunidade de utilizar a ferramenta. Os computadores estão sendo adaptados com objetos educacionais condizentes com as matrizes curriculares e direitos de aprendizagem. O laptop atenderá também aos professores, pois eles farão uso apenas de um sistema (Linux 5.0), já conhecido nos laboratórios de informática das escolas, facilitando assim o trabalho dos educadores.

Para Silvana Elias, a nova roupagem de um equipamento que estava obsoleto é um verdadeiro projeto de inclusão, abrangendo, em breve, programas direcionados a alunos com deficiência. Ela ressalta que não há ônus para o Município e quem ganha é a educação.

Publicidade