Opinião

Para onde estamos indo? - Mozart Jr.

Você já acordou algum dia e se deu conta que havia medo no que o esperava lá fora? E não estou falando da insegurança em que estamos vivendo não, estou falando nas relações com as pessoas do nosso convívio.

Hoje agredir o outro por não pensar exatamente igual a você se tornou uma coisa natural para muita gente, chamar os outros de imbecil, burro entre outros termos passou a ser natural e tudo apenas porque a pessoa não pensa como a outra quer que ela pense...

As peças estão sendo movidas - Mozart Jr.

Após o final do primeiro turno das eleições para governador, Minas Gerais viu atônita o fenômeno Zema aparecer como o fato novo da política, por pouco o candidato do partido Novo, que é neófito na política, não ganha no primeiro turno.

Enquanto todos esperavam uma disputa entre Anastasia e Pimentel, confrontando PSDB e PT mais uma vez, por pouco os dois velhos “companheiros” da política mineira não foram alijados da disputa.

Chegando a hora da onça beber água - Mozart Jr

Amanhã acontece a grande festa da democracia, é dia de ir as urnas e decidir o futuro desse país, a expectativa é a maior da história, nunca se viu um povo tão engajado quanto nessa eleição.

Apesar de o brasileiro ainda encarar política como futebol e ter transformado a eleição em um Flax Flu gigante, uma batalha do bem contra o mal, dos guerreiros de Grayskul contra o maligno Esqueleto.

EAD é mais fácil? A responsabilidade do aluno no ensino EAD

Por diversas vezes ouvimos comentários afirmando que a formação no Ensino a Distância (EAD) é muito fácil de ser conseguida. Os argumentos que ouvimos são comuns, e geralmente se referem ao seguinte comentário: “o aluno nem vai à faculdade e sai de lá formado”. Precisamos refletir sobre isso.

O fato de afirmarmos que o aluno “nem vai à faculdade” é muito mais referente ao deslocamento físico do que a sua formação em nível intelectual.

A farra da interrupção de mandato para concorrer a novos cargos

Por exemplo, a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) é mais uma oportunista em busca da continuação do cabide de emprego político. Se fosse competente estaria exercendo alguma profissão  na atividade privada. Aliás, o país está repleto de pedagogos e professores incompetente, que optam pela política para tirar proveito da coisa pública.

 

Infelizmente, a política nacional está transformada em refúgio de oportunistas mentecaptos que só visam às luzes da ribalta do poder para obter vantagem.

 

Renove a política. Mobília velha se joga no lixo.

Neste momento de busca de votos pelos candidatos, é necessário dizer que a desconexão da classe política com a sociedade é um fato relevante, que precisa ser considerado pela sociedade.


 

A classe política depois de eleita esquece completamente a sociedade e seus compromissos de campanhas, e só procura o eleitor em épocas de eleições. Por isso, muitos cidadãos brasileiros, cansados da desonestidade política, proclamam com razão que os partidos e os políticos não mais os representam.

Páginas

Publicidade

Subscrever Opinião