ORQUESTRA FILARMÔNICA DE MINAS GERAIS FAZ CONCERTO GRATUITO EM UBERABA

A Filarmônica de Minas Gerais sai em Turnê Estadual e se apresenta em Uberaba/MG. A apresentação gratuita e ao ar livre será no dia 5 de julho, às 20h, na Praça da Abadia. Sob a direção do regente associado da Orquestra, Marcos Arakaki, o grande público irá ouvir um repertório variado, que vai mostrar a música clássica em suas diversas possibilidades. Em um grande leque que percorre todos os períodos da história da música, desde o Barroco até os dias de hoje, o público vai ouvir o ritmo da marcha, obras alegres e vigorosas que nos convidam a dançar, músicas que povoam a nossa memória, composições grandiosas inspiradas em histórias reais ou imaginárias, a música que se ouve no cinema. O Brasil estará presente com os ritmos e melodias que nos falam da nossa origem como povo, da força da cultura brasileira e da diversidade que nos une.

O programa traz A marcha do príncipe da Dinamarca (Trompete Voluntário), de Clarke; Sinfonia nº 40 em sol menor, K. 550: Molto allegro, de Mozart; Egmont, op. 84: Abertura, de Beethoven; Poeta e Camponês: Abertura, de Suppé; Dança Macabra, op. 40, de Saint-Saëns; Batuque, de Fernandez; Suíte Nordestina, de Duda; ET: Aventuras na Terra, de J. Williams.
“É um grande prazer para a Filarmônica de Minas Gerais levar ao público de Uberaba este belo programa que conta a história da música clássica desde 1700 até os nossos dias. Vamos passar por diversos períodos da música e conhecer os instrumentos que formam a Orquestra”, conta o maestro Marcos Arakaki.

Na véspera da apresentação, dia 4 de julho, às 19h40, no Conservatório Estadual de Música da cidade, será realizado um Concerto Comentado, palestra dada pelo percussionista da Orquestra, Werner Silveira, para alunos do conservatório, abordando o repertório do concerto. A entrada é gratuita.
Este concerto é apresentado pelo Ministério da Cidadania, Governo de Minas Gerais e Algar Telecom por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais. Conta ainda com incentivo da Lei Federal de incentivo à cultura e apoio da Prefeitura Municipal de Uberaba por meio da Fundação Cultural.
 
“Para a Algar Telecom a oportunidade de promover um evento deste porte é uma forma de se aproximar ainda mais da população de Uberaba e, ainda, estimular a cultura no município. A apresentação da Filarmônica é uma das nossas iniciativas culturais deste ano nas cidades de Minas Gerais”, disse o diretor de varejo da Algar Telecom, Márcio de Jesus.
 
O concerto comentado conta com o apoio do Conservatório Estadual de Música Renato Frateschi.
 
Maestro Marcos Arakaki
Marcos Arakaki teve seu talento reconhecido a partir de 2001, quando venceu o I Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Jovens Regentes, promovido pela Orquestra Petrobras Sinfônica. Desde então, tem dirigido as principais orquestras brasileiras, além da Filarmônica de Buenos Aires, de Karkhiv na Ucrânia, a Boshlav Martinu na República Tcheca, a Sinfônica de Xalapa e da Universidade Autônoma do México. Concluiu bacharelado em Música pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e mestrado em Regência Orquestral pela University of Massachusetts. No Aspen Music Festival and School, Estados Unidos, recebeu orientações de David Zinman, Kurt Masur, Charles Dutoit e Sir Neville Marriner. Atuou como regente titular da Orquestra Sinfônica da Paraíba e assistente da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB). Como regente titular, promoveu uma elogiada reestruturação na Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem. Recebeu o Prêmio Camargo Guarnieri, concedido pelo Festival Internacional de Campos do Jordão, e gravou com a OSB a trilha do filme Nosso Lar, composta por Philip Glass.
 
Arakaki tem acompanhado importantes artistas, tais como Gabriela Montero, Sergio Tiempo, Anna Vinnitiskaya, Sofya Gulyak, Ricardo Castro, Pinchas Zukerman, Rachel Barton Pine, Chloë Hanslip, Luíz Fílip, Victor Julien-Laferrière, Günter Klaus, Eddie Daniels, David Gérrier e Yamandu Costa.
 
Desenvolve atividades como coordenador pedagógico, professor e palestrante em projetos culturais, universidades e conservatórios. Professor visitante da Universidade Federal da Paraíba por dois anos, contribuiu para a consolidação da recém-criada Orquestra Sinfônica da UFPB.
 
Marcos Arakaki é regente associado da Filarmônica de Minas Gerais e colabora com a Orquestra desde 2011, com destacada atuação nos concertos para formação de público. É autor do livro A História da Música Clássica Através da Linha do Tempo, lançado em 2019.
 
Sobre a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais
Criada em 2008, desde então a Filarmônica de Minas Gerais se apresenta regularmente em Belo Horizonte. Em sua sede, a Sala Minas Gerais, realiza 57 concertos de assinatura e 12 projetos especiais. Apresentações em locais abertos acontecem nas turnês estaduais e nas praças da região metropolitana da capital. Em viagens para fora do estado, a Filarmônica leva o nome de Minas ao circuito da música sinfônica. Através do seu site, oferece ao público diversos conteúdos gratuitos sobre o universo orquestral. O impacto desse projeto artístico, não só no meio cultural, mas também no comércio e na prestação de serviços, gera em torno de 5 mil oportunidades de trabalho direto e indireto a cada ano. Sob a direção artística e regência titular do maestro Fabio Mechetti, a Orquestra conta, atualmente, com 90 músicos provenientes de todo o Brasil, Europa, Ásia, Américas Central e do Norte e Oceania, selecionados por um rigoroso processo de audição. Reconhecida com diversos prêmios culturais e de desenvolvimento econômico, ao encerrar seus 10 primeiros anos de história, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais recebeu a principal condecoração pública nacional da área da cultura. Trata-se da Ordem do Mérito Cultural 2018, concedida pelo Ministério da Cultura, a partir de indicações de diversos setores, a realizadores de trabalhos culturais importantes nas áreas de inclusão social, artes, audiovisual e educação. A Orquestra foi agraciada, ainda, com a Ordem de Rio Branco, insígnia diplomática brasileira cujo objetivo é distinguir aqueles cujas ações contribuam para o engrandecimento do país.
 
O corpo artístico Orquestra Filarmônica de Minas Gerais é oriundo de política pública formulada pelo Governo do Estado de Minas Gerais. Com a finalidade de criar a nova orquestra para o Estado, o Governo optou pela execução dessa política por meio de parceria com o Instituto Cultural Filarmônica, uma entidade privada sem fins lucrativos qualificada com os títulos de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) e de Organização Social (OS), um modelo de gestão flexível e dinâmico, baseado no acompanhamento e avaliação de resultados.
 
Sobre a Algar Telecom
A Algar Telecom, empresa do grupo Algar, possui um amplo portfólio com soluções de telecomunicações e tecnologia para atender clientes corporativos (B2B) e do varejo (B2C). A Companhia oferece acesso à internet com ultravelocidade, celular de qualidade, TV por assinatura com programação especial, serviços de voz, dados, internet, TI e Infra, outsourcing, vídeo e mídia de consulta.
 
Com 65 anos de mercado, possui uma moderna infraestrutura, suportada por uma rede de mais de 61 mil km de fibra ótica que serve, atualmente, mais de 350 cidades, em 16 Estados do Brasil e no Distrito Federal. Ao longo de 2018, um dos grandes investimentos da companhia foi a ampliação de sua operação em locais onde já atuava e nos Estados da região Nordeste e o Espírito Santo. Para todas essas novas áreas, a Algar Telecom investe em um atendimento personalizado, consultivo e eficaz para entregar cada vez mais qualidade aos clientes.
 
Companhia aberta, não listada em bolsa desde 2007, a Algar Telecom se compromete com as melhores práticas de governança corporativa. São mais de 4 mil associados - como são chamados os colaboradores da empresa -, comprometidos em manter um relacionamento próximo com seus clientes e alta qualidade na prestação de serviços, com práticas sustentáveis e inovadoras.
 
SERVIÇO:
Turnê Estadual – Filarmônica de Minas Gerais em Uberaba/MG
5 de julho – 20h30
Praça da Abadia
 
Marcos Arakaki, regente
 
CLARKE/Westermann   A marcha do príncipe da Dinamarca (Trompete Voluntário)
MOZART                        Sinfonia nº 40 em sol menor, K. 550: Molto allegro
BEETHOVEN                  Egmont, op. 84: Abertura
SUPPÉ                            Poeta e Camponês: Abertura
SAINT-SAËNS               Dança Macabra, op. 40
FERNANDEZ                 Batuque
DUDA                            Suíte Nordestina
J. WILLIAMS                    ET: Aventuras na Terra
 
Concerto gratuito

Publicidade

Anuncie