Nova espécie fóssil de crocodilo é apresentada no Geossítio Peirópolis

A Universidade Federal do Triângulo Mineiro apresentou na manhã desta sexta-feira (14), no Complexo Cultural e Científico de Peirópolis uma nova espécie fóssil de crocodilo descoberta no município de Campina Verde. Trazendo novidade para público que visita o Geossítio Peirópolis, local que integra o Geopark Uberaba, o exemplar completo tem cerca de 80 milhões de anos e seu nome é Caipirasuchus mineirus.

De acordo com o geólogo da UFTM, Luiz Carlos Borges Ribeiro, Uberaba está trazendo à luz do conhecimento científico um fóssil único que permanecerá em Peirópolis disponível para visitação do público. “Fósseis são um registro inequívoco da evolução da vida no planeta. Uberaba é uma comunidade que tem contribuído sistematicamente com esses achados, para poder recontar nossa história de evolução”.

O geólogo afirma que, com a criação do Geopark Uberaba, o novo fóssil é mais uma atração para que o público continue visitando o museu e conhecendo novas histórias. “A cada ano trazemos novidades e isso revigora o turismo, que hoje em Peirópolis gera cerca de 100 empregos diretos. Estamos fortalecendo o macroprojeto do Geopark, que envolve não só o patrimônio geológico, mas vocações como o Zebu, a religiosidade, a gastronomia. É um conjunto de um projeto que vai beneficiar toda a comunidade”, pontua.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, José Renato Gomes destaca a importância do Geossítio Peirópolis no projeto Geopark Uberaba, que se renova com novidades científicas aos turistas. "O novo fóssil mostra a força do Geossítio Peirópolis e atrai atenção de estudantes, comunidade e turistas de todo o mundo. Este novo exemplar fortalece o Complexo Científico da UFTM e também aporta o interesse turístico, que se traduz na movimentação econômica e geração de empregos".

Segundo ele, o Geopark Uberaba tem sido um projeto de prioridade e que tem reunido grandes profissionais no processo de construção para cumprir todas as exigências da Unesco. "A Prefeitura de Uberaba reconhece e valoriza nossa vocação turística formada por uma importante história, cultura, ciência, religião e desenvolvimento. Não estamos medindo esforços para consolidar o Geopark Uberaba, e as grandes conquistas mostram o valor deste projeto", finaliza o secretário.

A reitora Pro Tempore da UFTM, professora doutora Ana Lúcia de Assis Simões, diz que a universidade vem enveredando todos os esforços para contribuir com o projeto Geopark Uberaba e com a comunidade. “É nosso objetivo contribuir na disseminação do conhecimento e trazer as atividades de ensino e extensão para Peirópolis. O papel é fortalecer sistematicamente a construção do projeto com os aspectos acadêmicos e científicos”.

O crocodilo. O Caipirasuchus mineirus foi encontrado em rochas no final do Período Cretáceo e tem uma idade mínima de 80 milhões de anos. Segundo o geólogo Luis Carlos Borges Ribeiro. O animal viveu na região de Campina Verde e possuía cerca de 70cm. Era herbívoro-onívoro, já que se alimentava tanto de plantas quanto de carne. Seu corpo tinha características de um andar mais ereto e, diferente de jacarés e crocodilos atuais, seus hábitos eram terrestres.

Publicidade

Anuncie