Exames periódicos podem auxiliar no diagnóstico de osteoporose

Imagem divulgação

Nem todas as doenças possuem sintomas evidentes desde o princípio. Algumas são mais silenciosas e para detectá-las é necessária a realização periódica de alguns exames. Entre essas doenças está a osteoporose. De acordo com a Organização Mundial de Saúde 10 milhões de brasileiros possuem osteoporose. A doença torna os ossos cada vez mais frágeis e porosos e está, na maioria dos casos, associada ao envelhecimento. Ela afeta principalmente mulheres acima dos 45 anos e com o avanço da idade o risco de fraturas é cada vez maior. A melhor forma de realizar o diagnóstico é através de exames clínico e radiológico, que permitem a quantificação de massa óssea.


Alguns exames oferecidos pela Clínica Radiológica Uberaba/Grupo Sabin podem auxiliar na detecção do avanço da doença, dentre eles a densitometria óssea, que é considerado o método mais eficaz para identificar a osteoporose ainda em seu estágio inicial. O aparelho analisa a perda de cálcio dos ossos a partir de uma mínima dose de radiação, e não requer nenhuma preparação como jejum ou suspensão de medicamentos.

De acordo com médica radiologista especialista em saúde da mulher da Clínica Radiológica Uberaba/Grupo Sabin Dra. Graziella Borges Barreto, a realização do exame é estratificada, de forma que o paciente não tenha nenhum tipo de desconforto. É um método indolor, não invasivo e dura aproximadamente 5 minutos. A radiação usada é muito inferior a da radiação utilizada em um exame de Raio X explica.

A densitometria óssea é recomendada para avaliar os percentuais de gordura e massa magra, sendo de extrema importância na avaliação nutricional do indivíduo, na fase de crescimento e aquisição de massa óssea, condicionamento físico e no acompanhamento de doenças que determinam alteração da composição corporal. Pessoas que fazem uso crônico de medicamentos que podem estar associados à perda de massa óssea, mulheres menopausadas em terapia de reposição hormonal, pacientes em uso crônico de corticoide e indivíduos com evidências de osteoporose em radiografia simples devem ter atenção redobrada e devem realizar o exame periodicamente, de acordo com a solicitação do médico.

 

Devem realizar o exame mulheres acima de 65 anos e homens acima de 70 anos, fora desta faixa etária, consideramos indicações para realizar o procedimento, os fatores de risco listados abaixo:

  • Fratura vertebral prévia;
  • Índice de massa corporal baixa;
  • Uso de corticoides orais ou sistémicos;
  • História de quedas frequentes;
  • História de fraturas da anca na família;
  • Consumo excessivo de álcool;
  • Tabagismo;
  • Osteoporose secundária.

Publicidade

Anuncie