Estudo comprova a relação entre a depressão e o sono ruim

Os distúrbios de sono já são o segundo transtorno mental mais recorrente no mundo, afetando um terço da população mundial (//iStock)

Os distúrbios de sono já são o segundo transtorno mental mais recorrente no mundo, afetando um terço da população mundial (//iStock)

 

De acordo com especialistas, cerca de 75% dos pacientes deprimidos relatam dificuldade para dormir ou insônia

Pesquisadores ingleses e chineses descobriram uma ligação neural entre depressão e problemas de sono, segundo estudo publicado no JAMA Psychiatry. De acordo com especialistas, cerca de 75% dos pacientes deprimidos relatam dificuldade para dormir ou insônia. A equipe envolvida na pesquisa revela que as áreas do cérebro associadas à memória de curto prazo e emoções negativas podem prejudicar o sono dos pacientes, uma vez que os pensamentos pessimistas são um fator relevante para a aparição de distúrbios do sono.

Além disso, a privação de sono, causada pela vida moderna, faz aumentar os riscos de desenvolver depressão, evidenciando a extensa ligação entre os problemas. Diante da descoberta, os cientistas acreditam ser possível melhorar a qualidade de sono dos pacientes com depressão e criar possibilidades de tratamento, que visem a tratar ambos os transtornos.

Depressão e sono - Os resultados foram obtidos através da análise de dados de cerca de 10.000 pessoas, que avaliou os mecanismos neurais capazes de demonstrar a conexão entre os dois problemas. De acordo com o estudo, no cérebro de pessoas com depressão notou-se que duas áreas do córtex – o pré-frontal dorsolateral(associado à memória de curto prazo) e o órbito frontal lateral (associado à emoção negativa) – estão conectadas com a parte do cérebro responsável pela consciência do “eu” — se essa conexão aumentar as atividades nessas regiões cerebrais, isso pode resultar em má qualidade do sono.

Edmund Rolls, coautor da pesquisa, disse que os resultados permitem uma melhor compreensão da doença, que afeta mais de 216 milhões de pessoas (3% da população mundial). Para ele, o estudo fornece suporte para a teoria de que o córtex órbito frontal lateral é uma área do cérebro que pode ser explorada para desenvolver novos tratamentos para a depressão.

Fonte: Veja

Publicidade

Anuncie