Estomia: Especialista ressalta ações para uma vida normal após a cirurgia

Imagem ilustrativa

Comemorado nesta quinta-feira (16/11), o Dia Nacional do Paciente Ostomizado foi criado para chamar a atenção para uma realidade de aproximadamente 34 mil pacientes brasileiros, segundo dados da Associação Brasileira de Ostomizados. O estoma é a mudança do local de  eliminação  das  fezes  ou  urina. Um procedimento que  implica  em novos  hábitos ao paciente.  Por vezes é difícil compreender, inicialmente, que não vai mais haver eliminação de  fezes  ou  urina  pelas  vias  normais.  “Essa adaptação é um grande desafio, principalmente porque a pessoa perde fezes ou urina sem controle, sendo necessário o uso de uma bolsa coletora no abdômen, que se não for de boa qualidade pode causar situações constrangedoras  como  barulhos  e odores desagradáveis por conta da eliminação de gases e também  alergias  e  infecções  de pele", explica o estomaterapeuta Eduardo Tenório.

A questão é como proporcionar qualidade de vida e participação social dessas pessoas que, em geral, se veem cheias de “limitações” em função da nova rotina?

Segundo Tenório, o fortalecimento da autoestima da pessoa estomizada contribui para minimizar atitudes extremas como por exemplo, o seu isolamento em  eventos  sociais, que  geralmente ocorre devido  ao  medo  e  vergonha  de  que  o  odor possa incomodar outras pessoas. 

É interessante ressaltar que até mesmo a privação de alimentação pode acontecer, no intuito de evitar a eliminação de fezes em passeios e festas.  As orientações  devem  acontecer  por  meio da  participação  da  equipe multifuncional formada  por  enfermeiros,  médicos,  psicólogos,  nutricionistas  e  assistentes  sociais.

“A família precisa entender os procedimentos do  cuidar  desse  paciente,  e  compreender que  vai  além  da  troca  da  bolsa  coletora  e  da  higienização  do  estoma.  As pessoas  próximas  devem  ser  alertadas  para  observar  o  comportamento  e  estimular  o  paciente  a continuar a ter uma vida mais próxima daquilo que vivenciavam antes da estomia.  Se a   pessoa   trabalha,  é   importante   que   o   empregador   seja   orientado. Muitos pacientes podem e  devem  retornar  a  sua  vida  laboral,    não  precisando  ser  afastada como  inválida,    devido  a  presença  da  estomia.  O problema  é  que  muitas  vezes  há preconceito, gerado pela pura falta de conhecimento. Boa parte não sabe, por exemplo, que o governo brasileiro oferece as bolsas coletoras e outros equipamentos gratuitamente para pacientes com estomas”, reforça o especialista.

Eduardo Tenório explica também que o uso de equipamentos  que  produzam pouco barulho, que são hipoalergênicos e apresentam uma barreira protetora de pele adequada  são  extremamente  importantes. “Isso facilitará uma vida mais ativa, inclusive na prática  de  esportes.   A escolha desses equipamentos é feita a partir de uma avaliação do paciente para que se determine qual produto é o mais indicado para sua condição”.

A atividade física é a principal maneira de estimular a inclusão social dos pacientes com estoma. Ela promove a inclusão social e auxilia na superação das barreiras enfrentadas pelos estomizados levando-os a descobrir que é possível ter uma vida saudável. Entre os benefícios encontrados pelos estomizados durante a prática do exercício físico estão: melhora na autoestima, agilidade, equilíbrio, reabilitação e competição, independência e autonomia, etc. A prática da natação e hidroginástica, por exemplo, podem ser feitas sem nenhuma restrição, pois a bolsa e a placa são impermeáveis à água.

Outro ponto que deve ser levado em consideração é a não privação de uma vida sexual. Embora seja necessário alguns ajustes, a estomia não deve impedir a prática. “É importante estar aberto para uma conversa franca com o parceiro (a) para se chegar a conclusões do momento e a forma mais adequada para realizá-la. Atividades sexuais não trazem riscos de danos ao estoma. Apesar de poder se sentir um pouco nervoso com a situação, a maioria das pessoas é capaz de retomar uma vida sexual saudável”, afirma o estomaterapeuta.

A linha de produtos B. Braun Stoma Care oferece soluções simples, seguras e discretas a fim de aumentar a autonomia e proporcionar o cuidado ideal para a pessoa estomizada. O portfólio é extenso  e possui características específicas para cada tipo de estoma, tais como bolsas coletoras fechadas e drenáveis, disponíveis no sistema de uma ou duas peças, com conexões de acoplamento exclusivo e hidrocolóides especiais para a proteção da pele.

 

Publicidade

Anuncie