COLUNA DE SEGUNDA

Marco Túlio Oliveira Reis – mtoreis@hotmail.com

 

Jogo do bicho
Pouco se fala em legalização do jogo do bicho – verdadeiro patrimônio da cultura nacional. Criado em 1892, pelo barão João Batista Viana Drummond, como forma de aumentar a frequência ao zoológico que fundou. As entradas para o zoológico eram gravadas com imagem de bicho, ao final do dia, as gaiolas dos bichos, que estavam cobertas, eram descobertas e o bicho do dia revelado. Quem tivesse no ingresso a imagem sorteada recebia prêmio em dinheiro.


Crime
De lá para cá, muita coisa mudou, e o Jogo do Bicho difundiu-se pelo Brasil, contudo, sempre enfrentou resistência das autoridades. Proibido desde 1941, tido por contravenção penal, esse jogo de azar, mesmo à margem da lei parece fascinar o espírito nacional. Desde 2014, tramita no Senado Federal do Brasil, o Projeto de Lei n.º 186, que dispõe sobre a exploração de jogos de azar no Brasil, incluindo o jogo do bicho.


Não à reeleição!
Diversas lideranças uberabenses estão propagando a campanha contra a REELEIÇÃO de políticos, especialmente de deputados estaduais e federais. É um movimento autônomo, sem bandeira ou conotação partidária, que reflete a realidade dura e triste de nossa representação parlamentar. Todos os que defendem esta tese são unânimes em afirmar que não basta lutar contra a corrupção e deixar essa “turma de raposas tomando conta do galinheiro”. Para o bem de seu país, DIGA NÃO À REELEIÇÃO! Não vote em quem tem mandato!


Não à reeleição!
Diversas lideranças uberabenses estão propagando a campanha contra a REELEIÇÃO de políticos, especialmente de deputados estaduais e federais. É um movimento autônomo, sem bandeira ou conotação partidária, que reflete a realidade dura e triste de nossa representação parlamentar. Todos os que defendem esta tese são unânimes em afirmar que não basta lutar contra a corrupção e deixar essa “turma de raposas tomando conta do galinheiro”. Para o bem de seu país, DIGA NÃO À REELEIÇÃO! Não vote em quem tem mandato!


Carnaval
Fundação Cultural de Uberaba reedita o bem sucedido Festival de Marchinhas. Será dia 28, na Praça Afonso Pena, dita “Da Concha Acústica”, a apresentação dos 12 finalistas previamente selecionadas. Entre os classificados o pernambucano de Recife, Tavinho Limma, radicado em Ilha Solteira – SP, com a marchinha “Popota”.


Banda de Pau e Corda
Tavinho, além de ser meu parceiro na canção “É de giz!” tem como parceiros musicais Jane Duboc, Tetê Espíndola, Lucina, Lula Barbosa, Antonio Calonni, Oswaldinho do Acordeon, Elton Ribeiro, Zebeto Correa, Manoel Gandra, Mongol, Zé Alexandre, Eudes Fraga, Martha Medeiros, entre outros. Foi membro da lendária Banda de Pau e Corda, sucesso consolidado nos anos 70/80 em todo o Brasil. Além de excelente músico e intérprete, Tavinho é compositor e produtor cultural.


Pipocas
Pipocas gourmet além de estar na moda são incrivelmente deliciosas. A Poc, da jovem empresária Ranna Reis de Oliveira Brito de Falco, está fazendo grande sucesso entre as pessoas descoladas que gostam de inovar em suas recepções. A Poc trabalha com milhos selecionados, escolhidos com todo critério e profissionalismo.


Gourmet
As pipocas gourmets são elaboradas artesanalmente e embaladas manualmente, com todo carinho e capricho. Diversos são os sabores que agradam os mais finos paladares. Atende eventos sob encomenda: Telefone: (34) 9 9156 3113; Facebook: PocPipocasGourmet; Instragram: @PocPipocasGourmet e Email: pocpipocasgourmet@gmail.com.


Pasteurização
Vem do conceituado professor constitucionalista, poeta e amigo, André Del Negri, do seu ASSOMBRO DO NADA, editado pela Editora Universidade de Uberaba, em 2004, fórmula para melhor relacionar-se com os demais atores do cotidiano. A sensibilidade e maturidade do autor, em alegoria feliz, assegura a “sanidade” das relações sociais. 


Dica de sobrevivência
“Conheço pessoas que se parecem mais com germes do que seres humanos. O bicho-homem é uma das matérias-primas que atinge esse padrão que é internacional. Por isso, para sobrevivermos é necessário fazer a pasteurização da vida na hora certa. É esquentar de vez em quando com alguns, e, em certos momentos, atingir o resfriamento súbito. É o único jeito de suportar os contra ataques desses germes patogênicos”.

 

Marco Túlio Oliveira Reis é advogado, jornalista e professor universitário. Membro do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB de Minas Gerais. Colunista da Revista ID Magazine. Assina a COLUNA OLHO VIVO nesta Folha de Uberaba.    

Publicidade