Aposentado se revolta com falta de medicamento e se acorrenta a um poste em Uberaba

O aposentado Salvador dos Reis Filho, chamou a atenção de toda a mídia local ao acorrentar-se a um poste na porta da Superintendência Regional de Saúde em Uberaba, MG.

Ele relatou que passou por um transplante do coração há 18 anos e precisa diariamente do medicamento Ciclosporina.

 

O aposentado esclareceu que a medicação é fundamental para a sobrevivência dos transplantados, segundo as informações repassadas á Folha Uberaba, em novembro de 2018 também faltou o medicamento para a distribuição e isso deixou o aposentado cinco dias sem a medicação.

Nesta semana voltou a faltar a medicação e o aposentado que disse só ter duas capsulas, tomou essa decisão por medo dos efeitos que a falta do remédio podem ter sobre sua saúde. Segundo ele, com a falta, a imunidade baixa a níveis muito perigosos.

O caso como não poderia deixar de ser ganhou as redes sociais e muita gente está cobrando do prefeito um posicionamento, que na verdade, compete ao governo do Estado.

A Folha entrou em contato com a Superintendência Regional de Saúde de Uberaba que emitiu a seguinte nota:

 

O Paciente Salvador dos Reis Filho possui processo deferido na SRS para os medicamentos: ciclosporina 50 mg e micofenolato de mofetila 500 mg. Na data de 02/05/2019 houve o atendimento de 30 comprimidos de micofenolato de mofetila 500 mg, porém o medicamento ciclosporina 50 mg está desabastecido. Complementamos que até no mês de Abril de 2019 o paciente estava recebendo os dois medicamentos (retirada em 01/04/2019: 60 comprimidos de ciclosporina 50 mg e 30 comprimidos de micofenolato de mofetila 500 mg).

 

Informamos que o medicamento em falta se encontra em processo de aquisição pela SES/MG. Ressaltamos que a SES/MG entende que é de suma importância o fornecimento regular desse medicamento e está empenhando esforços para a normalização da situação o mais breve possível. Tão logo o item seja entregue em no almoxarifado da SES/MG, a distribuição a todas regionais de saúde do Estado será autorizada.

 

Sobre os medicamentos em falta, a SES-MG entende ser de suma importância a regularização da distribuição e o Governo de Minas está trabalhando para mudar essa realidade. Reiteramos que a atual administração tem como premissa buscar o equilíbrio das contas públicas, por meio da redução de gastos e da eficiência da gestão estadual. Vale lembrar que a atual gestão herdou uma dívida de R$ 34,5 bilhões e o saldo negativo tem reflexos no dia a dia do cidadão. A atual gestão segue se empenhando para sanar tais deficiências, sobretudo na área da saúde, e garantir a continuidade dos serviços prestados aos beneficiários, por parte de todos os credenciados.

Publicidade