Ação na Praça Jorge Frange marcará o Dia Mundial de Luta contra a Aids

O Dia Mundial de Luta contra a Aids, celebrado no dia 1º de dezembro (sábado), terá mobilização do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) das 7h às 15h, na praça Doutor Jorge Frange. A ação será durante a realização do projeto The Street Store, uma parceria com ação dos alunos do grupo “Amigos do Igor” da Universidade de Uberaba (Uniube).

De acordo com a gerente do CTA e do Programa Municipal de IST/HIV/AIDS e Hepatites Virais, Maria Clara de Vasconcelos Afonso, a mobilização na Praça Jorge Frange oferecerá ao público a testagem rápida de HIV, orientações e distribuição de preservativos.

Além de ações especiais, o Centro de Testagem e Aconselhamento oferece o teste para diagnóstico de HIV, Sífilis, Hepatites B e C de segunda a sexta-feira, das 7h às 10h, e em horário especial às quartas-feiras, das 17h às 19h30. Para demandas espontâneas, é preciso apresentar documento oficial com foto. Para exames anti-HIV de pré-natal, as gestantes devem ter o encaminhamento médico da rede pública. O endereço de atendimento é Rua Marechal Deodoro, 166, no bairro São Benedito.

HIV em Uberaba – Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, de 2016 a 2018 o número de notificações de HIV foi reduzido. Em 2016 foram notificados 470 casos, sendo 277 do sexo masculino e 193 do sexo feminino. Em 2017 o número de notificações caiu para 312 – 200 homens e 112 mulheres. Já em 2018, até o momento, foram 225 notificações – 148 homens e 77 mulheres.

Em relação à faixa etária, a maior incidência foi entre pessoas de 20 a 29 anos, sendo 161, 122 e 83 notificações, respectivamente em 2016, 2017 e 2018. A segunda faixa com mais casos foi entre 30 e 39 anos (141, 88 e 61), e em terceiro de 40 a 49 (88, 47 e 43).

Dados nacionais - O novo Boletim Epidemiológico, divulgado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira (27/11) em Brasília, mostra redução de 16%, em casos e óbitos de Aids. Os novos números da epidemia revelam que, de 1980 a junho de 2018, foram identificados 926.742 casos de Aids no Brasil, um registro anual de 40 mil novos casos. Em 2012, a taxa de detecção de Aids era de 21,7 casos por cada 100 mil habitantes e, em 2017, foram 18,3, queda de 15,7%. Em quatro anos também houve queda de 16,5% na taxa de mortalidade pela doença, passando de 5,7 por 100 mil habitantes em 2014 para 4,8 óbitos em 2017.

Na ocasião, também foram lançados dados do Relatório de Monitoramento Clínico do HIV. O monitoramento clínico engloba uma série de indicadores que retrata a trajetória das Pessoas Vivendo com HIV (PVHIV) nos serviços de saúde, desde o diagnóstico até a supressão viral, compondo a cascata de cuidado contínuo.

Em 2017, estimava-se 866 mil pessoas vivendo com HIV no Brasil, das quais 559 mil são homens e 307 mil são mulheres. Desse total de 866 mil pessoas, 84% (731 mil) já estavam diagnosticadas; 75% (548 mil) estavam em tratamento antirretroviral; e 92% (503 mil) já tinham carga viral indetectável.

Publicidade