34 milhões de brasileiras sofrem com doenças crônicas

Imagem ilustrativa
  • ·   60% dos pacientes com doenças crônicas no Brasil são mulheres1
  • ·   As doenças crônicas são a principal causa de morte no Brasil3 e podem durar toda a vida
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica6, enxaqueca7, insuficiência cardíaca10, urticária crônica espontânea14 e psoríase21 são doenças que impactam mais mulheres do que homens

 

 O Dia Internacional da Mulher marca a celebração das conquistas sociais e reforça a importância do papel das mulheres na sociedade. No entanto, a data chama também atenção para o custo das triplas jornadas que mulheres exercem para a sua saúde, ressaltando a importância do autocuidado e preservação da qualidade de vida. No Brasil, cerca de 57,4 milhões de pessoas sofrem de doenças crônicas e as mulheres são a maioria1. São 34,4 milhões de brasileiras diagnosticadas com enfermidades que vão mitigando a vida ao longo do tempo1. Em números, elas são 11 milhões a mais que homens.1

 

“As doenças crônicas são incapacitantes e têm um fator de longo prazo que acaba gerando outras complicações, como depressão. As mulheres estão mais suscetíveis e precisam lembrar da importância de se cuidar” – Dra. Marina Lima, pneumologista pesquisadora Sênior do Hospital Dia do Pulmão e consultora do Jornal Brasileiro de Pneumologia.

 

72% das mortes no Brasil são causadas por doenças crônicas e a previsão é que em 2020 a incidência em países em desenvolvimento chegue em 80%. Apesar da alta incidência, apenas 20% da população nesses países realiza o tratamento prescrito.3

 

“Muitas vezes essas doenças são deixadas de lado por não matarem instantaneamente. Esse pensamento é exatamente o que faz elas serem tão perigosas. A adesão ao tratamento é garantida quando a pessoa entende que tem a chance de ter uma vida com qualidade”, explica Dra. Ariane Vieira Scarlatelli Macedo, cardiologista e diretora de promoção de saúde cardiovascular da Sociedade Mineira de Cardiologia.

Dentre as doenças crônicas com grande incidência nas mulheres, atenção à:

 

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é muito ligada ao uso do cigarro4,5 e impacta mais as mulheres. Entre os quase 15 milhões de pacientes diagnosticados no mundo com DPOC, 58% são mulheres6.

As mulheres ainda têm mais complicações com a doença. Além de terem menos chances de serem diagnosticadas corretamente22-25, há uma maior tendência a terem 17% mais crises (exacerbações)26-30. A doença também causa ansiedade, depressão e osteoporose mais frequentemente nas mulheres26,31-33.

Saiba mais em http://saude.novartis.com.br/dpoc e https://www.facebook.com/inspiremelhor.

 

Enxaqueca

Também conhecida como migrânea, é relacionada constantemente às doenças femininas, afinal são 2 a 3 mulheres com a enfermidade para cada homem que tem enxaqueca. O motivo dessa maior tendência ainda não é claro, porém há estudos que associam as crises aos hormônios femininos.7

A enxaqueca afeta até 20% da população e causa sofrimento com crises constante de dores na cabeça.7 Segundo a OMS, somente 40% das pessoas com a doença tem diagnóstico por um profissional e ela é a sexta maior causa de perda de anos para a incapacitação.8

 

Hipertensão

A hipertensão, também chamada pressão alta, é uma doença que geralmente não tem cura e atinge mais as mulheres9. A estimativa é que 25% das brasileiras convivem com ela9. Como doença crônica, ela ainda pode gerar outra doença que também afeta mais as mulheres e tem uma alta mortalidade, a insuficiência cardíaca10.

“A hipertensão não tratada pode gerar graves consequências, como a insuficiência cardíaca. Essa doença que faz o coração não conseguir trabalhar corretamente, e muitas vezes é tratada como coração cansado, tem tratamentos avançados disponíveis, mas ainda causa grande mortalidade na população” -  Dra. Ariane Macedo, cardiologista.

 

Insuficiência cardíaca

Apesar de mundialmente ser mais comum em homens, a insuficiência cardíaca no Brasil tem 60% de pacientes mulheres acima de 60 anos10. A doença provoca até três vezes mais mortes que cânceres avançados, como intestino e mama11, e 50% dos pacientes não conseguem sobreviver 5 anos após o diagnóstico.12,13

Saiba mais em: http://saude.novartis.com.br/insuficiencia-cardiaca

 

Urticária Crônica Espontânea (UCE)

Uma doença na pele que chega a atingir milhões de brasileiras, a urticária crônica espontânea (UCE) pode ocorrer em qualquer idade e é mais comum em mulheres na idade de 20 a 40 anos14.

A UCE tem como principal sintoma a coceira constante por pelo menos seis semanas, inclusive durante a noite. São lesões avermelhadas que podem aparecer por todo o corpo e podem estar associadas a inchaços que surgem repentinamente não causados por fatores externos como por exemplo alimentos, medicamentos cosméticos, produtos de limpeza ou de higiene.15,16,17,18. A cada três pacientes com UCE, dois são mulheres15. Saiba mais em: http://saude.novartis.com.br/urticaria  

 

Psoríase

Outra doença de pele que afeta a qualidade de vida é a psoríase19. Essa doença que causa lesões na pele, não contagiosa, é crônica e ainda não se sabe o motivo dela surgir.20 Essa enfermidade gera impacto no nível de felicidade das pessoas21 e, apesar de ter incidência parecida entre homens e mulheres, elas são as mais afetadas fisicamente e psicologicamente, com maiores níveis de estresse e solidão que os homens.21

Saiba mais em: http://saude.novartis.com.br/psoriase

 

Sobre a Novartis

A Novartis fornece soluções inovadoras de saúde que atendem às necessidades em evolução de pacientes e da sociedade. Com sede na Basileia, na Suíça, a Novartis oferece um portfólio diversificado para melhor atender a essas necessidades: medicamentos inovadores, medicamentos mais econômicos, que são os genéricos e os biossimilares, além de produtos para a saúde dos olhos. A Novartis está em posições de liderança globalmente em cada uma dessas áreas. Em 2016, o Grupo alcançou vendas líquidas de US$ 48,5 bilhões, enquanto os investimentos em P&D totalizaram aproximadamente US$ 9,0 bilhões. As empresas do Grupo Novartis empregam cerca de 119 mil colaboradores em tempo integral. Os produtos Novartis são vendidos em cerca de 155 países ao redor do mundo. Para mais informações, visite http://www.novartis.com.

Publicidade